Negro. Cearense. Nordestino. Brasileiro. Artista Visual com enfoque em fotografia e cinema. Dedica-se ao documental e à experimentação. Pesquisador pela Universidade Federal do Ceará com bolsa CAPES, desenvolve tese nas áreas de antropologia, imagem, memória, periferia e cidade. Felipe Camilo Perfil Desenvolve desde 2015 o ‘Projeto Perecível’ de imagens reveladas com a clorofila de folhas relacionando-se por meio de retratos, ruínas e seu álbum de família à história e geografia da capital onde nasceu – Fortaleza/Ce. Agregando relatos e haicais, o projeto circula desde o começo de 2018 como fotolivro e em exposição tanto no Ceará como em eventos nacionais e internacionais como a exposição da Anpocs – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais em Minas Gerais e a Mostra de Fotografia Etnográfica da RAM – Reunião de Antropologia do Mercosul na Argentina. Atualmente circula no nordeste do país nos Centros Culturais BNB. Teve suas obras etnográficas e de ficções biográficas à mostra em salas de exposição do Centro Dragão do Mar, da mostra Sesc Cariri de Culturas, do “Encontros de Agosto”, do “Verbo Ver Festival de Fotografia” e da Universidade Federal do Ceará. Com intervenções com monóculos e ‘lambe-lambe’ colaborou com o ‘Festival Concreto de Arte Urbana’ e com o ‘68º Salão de Abril Sequestrado’ em Fortaleza. Atuando como realizador/documentarista, é ganhador do Prêmio de melhor roteiro no Cine Ceará 2017 e aquisição Canal Brasil de melhor curta com ‘Memórias do Subsolo ou o Homem que cavou até encontrar uma redoma’. O filme esteve na programação de diversos festivais brasileiros de cinema. Com apoio da Secult/Ceará, dirige a 2ª Ed. do projeto-documentário “Mapadoc – Cartografias da Cultura Cearense”.