Álbum Preto

Álbum Preto. Livro de Artista. Técnica: Fitotipia (impressão com folhas) sobre biblia modificada. Felipe Camilo. 2021. 

que esse álbum carregue igualmente
suas memórias misturadas às minhas
com a sorte e a culpa dos sobreviventes

Álbum Preto relaciona retratos e saudosas notas obituárias de pessoas negras à trajetória de vida do autor e suas próprias imagens.  Homem negro de 36 anos com a sorte e a culpa dos sobreviventes, Felipe Camilo trabalha neste livro de artista desde 2020, no qual realiza uma prece, seguida de honrosas notas sobre pessoas vítimas de violência racial, postas em paralelo às memórias do autor na idade destes que já não se encontram mais aqui. Assim, o livro é uma espécie de álbum coletivo ou de ficção biográfica composta por acontecimentos e fotografias de pessoas de diversas idades, tendo como constante narrativa o movimento gradual pelas fases da vida do autor – infância, adolescência e juventude. Dessa forma, reconhecemos nomes de garotos mortos precocemente por ação policial no Brasil – como João Pedro no Rio, ou os jovens Pedro e Renayson mortos na Chacina do Curió no Ceará, ou o adulto Evaldo, morto com 80 tiros de fuzil, ou ainda o griô Mestre Moa, morto na Bahia em 2018. As motivações dos assassinatos variam, mas a cor da pele não. Somos todos negros, os que partiram e os que conservam respeitosamente suas memórias.

As fotografias foram impressas em fitotipia, com a própria clorofila das folhas que lhe servem de suporte, colhidas de uma “árvore da felicidade”. Técnica efêmera de impressão, a fitotipia produz imagens que vanecem, tanto pelo suporte delicado, como pela ação da luz e dos fungos. Produzir um álbum com folhas coladas, a esmaecerem os retratos gravados nelas, tem por finalidade um gesto de prece e de cura para a narrativa de vidas negras neste mundo. 

O Álbum teve seu miolo produzido por uma artesã negra e sua capa foi reapropriada de uma bíblia de guarda escura com zíper. A ideia de tal apropriação tensiona os valores cristãos num país em que se matam tantos jovens de pele escura, como também busca sacralizar essas vidas perdidas e sua memória. As páginas pretas com folhas, são antecedidas com página transparente com breve nota obtuária ou biográfica que se sobrepõe à imagem. Assim temos texto sobre etiqueta branca que folheado dá visão aos retratos alternados, ora daqueles que já partiram, ora do autor. Ao fundo do Álbum, o autor inicia uma lista de pessoas negras vítimas de violência racial lembradas em noticiários a ser continuada pelo leitor nas páginas vazias deixadas no final da obra. Felipe Camilo trabalha com fitotipia desde 2015, tendo lançado em 2018 o fotolivro “Perecível” de retratos, relatos e haicais. Em seus trabalhos, busca colocar sua memória como espécie de “prótese” do imaginário coletivo.

***

que nos carregue com seu ser perene
a árvore da felicidade dona dessas folhas
que se apagam enquanto perduramos.

 

 

 

Next Post

© 2021 Felipe Camilo